terça-feira, 18 de agosto de 2015

O paciente esta morrendo, mas os socorristas estão brigando

FALÊNCIA MÚLTIPLA DE ÓRGÃOS
Como uma cidade promissora permite-se a destruição.


Quando escrevi este artigo ainda nem sonhávamos com os desdobramentos. O impasse na Câmara durou até o vereador Odilon se declarar corrupto. Logo um tsunami abateu sobre aquela casa, levantando suspeitas de que fora um ato falho proposital por parte do velho vereador.
O factoide do afastamento do prefeito já havia consolidado uma crença, de que não seria fácil tira-lo do poder. Nunca imaginamos facilidades, desde o começo era o tostão contra o bilhão.
A população continuou vítima.













No perde-perde, se perdeu o vereador Odilon.

Esquecemos a mina de ferro de Carajás, que continuou sua produção a todo vapor. Mas sua mercadoria antes vendida a 120 dólares a tonelada caiu para menos de 40 dólares. A massa de trabalhadores que antes compravam de tudo, desapareceu e continua desaparecida há mais de dois anos e não tem bilhete de volta. A cada dia vemos mais e mais amigos partirem.

Não há mais investimentos na cidade. Todas as obras iniciadas pela prefeitura em 2013 e 2014 se encontram paradas. A receita  publica estagnou e decai desde agosto 2013. O cenário é tão preocupante que tememos pelo orçamento da saúde e da educação. Os gastos mal feitos comprometem a própria existência do desenvolvimento alcançado ate então.

Ainda e cada vez pior o desemprego é a constante. Trabalhadores renitentes deslocam-se até Canaã. O S11D, um projeto que a VALE já deveria ter parado, continua nos sonhos de quem não quer partir: tem seus lotes, casas e familiares estabelecidas e enraizadas aqui. Ainda apegados a uma possível permanência numa terra que foi prometida. Logo verão que não há mais trabalho para todos. Ali é apenas indicação cerrada.  Não há uma demanda para tantos trabalhadores. Muitos voltam desiludidos. Outros voltam revoltados.

Os crimes violentos tornam-se recorrentes. É normal em fins de semana ou feriados prolongados, ocorrerem  muitas mortes terríveis. Trânsito e acertos de contas. Ninguém sabe o que realmente acontece na cidade.  

Assim, as empresas loteadoras – as incorporadoras que fizeram o que quiseram para ampliar a área urbana – começam a jogar a toalha e demitir. A Buriti ordenou corte de 80% do seu pessoal.
 
Dá arrepios ver tanta maldade junta. Assusta porque, a mediocridade dos candidatos hoje abre caminho para o antigo, o corrupto, o mal feito.
As grandes lojas estão vazias. Grandes supermercados e lojas – ainda acreditando em premissas e estudos falsos sobre a cidade aportam aqui para perderem dinheiro e se decepcionarem. Não há mais vida saudável em Parauapebas.

Enquanto isto, hoje a prisão da secretaria de educação lançou fogos sobre a gestão. Ela e o  secretario da juventude mais alguns funcionários menores. Estão todos presos em Marabá. Há um vereador preso (Josineto Feitosa) e um líder comunitário, Jonas Conrado, vitima de armação. O prefeito segue acuado e os vereadores , após serem desfalcados com a prisão de Odilon, Arenes e Josineto estão reagrupando, mas ainda permanece a divisão, G5 e os outros. Apensar de dois novos terem assumido.


Ainda continuam seu jogo de morte: inviabilizam o futuro e a possível solução para a cidade, enquanto é tempo. Parecem não entender que enfrentamos uma crise terminal. Sem médicos, remédios ou possibilidade de tratamento. Quem viver, verá. Infelizmente ainda é o mesmo final da ultima postagem. Mas estamos a caminho de uma solução, encontramos caminhos novos.