terça-feira, 17 de novembro de 2015

Um barco a velas urbano

Urbanismo
Ospa e Ado Azevedo Design . Porto Alegre .

OSPA e Ado Azevedo Design projetam via elevada com estações do Aeromóvel, em Porto Alegre, RS
Por Mariana Siqueira
Edição 243 - Junho/2014

A maravilha da inventividade brasileira!  Mas apenas esta via em Porto Alegre? Autoridades, é nacional, é barato e é sustentável. Movido a vento e eletricidade!



O Aeromóvel é um meio de transporte urbano sobre trilhos que, em essência, assemelha-se a um barco a vela: sua fonte de propulsão é o vento. Mas se no Aeromóvel essa característica não é visível, é porque suas aletas (ou velas) estão escondidas dentro da viga de concreto que sustenta os trilhos, sopradas por ventiladores movidos a energia elétrica.
O sistema foi inventado e patenteado ainda na década de 1970 por um brasileiro, Oskar Coester, que teve de esperar quase 40 anos para ver sua tecnologia ser operada comercialmente em solo nacional. Em 2013, uma linha de 814 m foi inaugurada em Porto Alegre, RS, conectando o Aeroporto Internacional Salgado Filho a uma estação do trem metropolitano Trensurb.
O projeto nasceu de um incômodo claramente expresso na frase de Ruben Berta, com quem Oskar trabalhou na Varig durante a década de 1960: "Não adianta melhorar a velocidade do avião, se o problema está em chegar ao aeroporto", dizia, já naquela época, em menção à debilidade do transporte urbano no Brasil. Analisando essa situação, Oskar compreendeu que uma das grandes complicações era o fato de toda a infraestrutura de transporte ser dimensionada para veículos muito pesados.
"Um automóvel comum, hoje, pesa cerca de uma tonelada. A média de pessoas transportadas por esse tipo de veículo, nos grandes centros urbanos do Brasil, não passa de 1,2. Isso significa que o peso transportado em uma avenida é composto por menos de 10% de carga útil: um verdadeiro absurdo", manifesta Oskar. Quanto maior o peso de um veículo, maiores são as estruturas urbanas por ele requeridas, e, com isso, seus gastos e impacto ambiental. "O pior é que a gente nem se dá conta", lamenta.
Com o objetivo de melhorar - radicalmente - a relação entre peso deslocado e carga útil, Oskar voltou sua atenção para o conjunto roda e trilho, muito eficiente por oferecer pouco atrito durante a movimentação. "Mas dizer que o Aeromóvel é um trem é o mesmo que dizer que um avião e um caminhão são a mesma coisa, só porque os dois usam pneus", provoca o inventor. Apesar de ambos rodarem sobre trilhos, é a fonte de propulsão dos veículos que os diferencia e, com ela, seu peso.
Não ter nenhum tipo de motor a bordo faz com o que o Aeromóvel seja muito leve. O vento que o impulsiona é produzido por ventiladores de acionamento elétrico localizados em casas de máquinas fixadas sob as estações de embarque, no solo. A corrente de ar se desloca por dentro da viga caixão que compõe a via elevada, onde se encontram as aletas.
"O veículo é só um charutinho de alumínio, com roda e trilho. Seu corpo é como a fuselagem de um avião, muito leve. Esse conjunto torna o sistema quatro ou cinco vezes mais leve que qualquer outro meio de transporte de massas no mundo, inclusive os trens", orgulha-se Oskar. O consumo de eletricidade para mover o veículo é muito baixo, menor que o consumo dos condicionadores de ar de suas estações, e a emissão de gases poluentes é zero.
Ao pensar em um novo meio de transporte para cidades já consolidadas - normalmente abarrotadas de carros, que crescem verticalmente sem que, para isso, as vias sejam alargadas - Oskar decidiu tirar o seu veículo do chão. "Demolições são inviáveis do ponto de vista econômico, e enterrar tudo, como no metrô, custa uma fortuna para construir e para operar: só a energia gasta para ventilar os túneis é uma loucura. Então chegamos à conclusão de que, da mesma maneira que se empilham escritórios e apartamentos, podemos empilhar o sistema de transporte fazendo vias para levar gente, e não peso morto", postula.
O inventor afasta comparações entre a via elevada do Aeromóvel e estruturas obsoletas como o Minhocão, em São Paulo, explicando que essas são superdimensionadas para atender veículos que transportam pouquíssimo peso útil. "A via elevada hoje é estigmatizada porque temos histórias como a do Minhocão, onde vemos vias enormes, que são pesadas e poluem. Mas se fazemos uma estrutura limpa, esbelta e silenciosa, onde podemos, inclusive, trabalhar com paisagismo, conseguimos minimizar esse impacto", avalia.
As vantagens da via elevada estariam, assim, em sua fácil instalação em tecidos urbanos já consolidados, de maneira econômica, e na flexibilidade na definição dos trajetos. A ausência de obstáculos dispensa a presença de um condutor no veículo, automatizando a operação e barateando-a ainda mais. O resultado é um serviço seguro de altíssima frequência que pode ser desenhado para atender demandas de até 25 mil passageiros/hora-sentido.
Embora concebida para utilização em vias elevadas, Oskar não descarta a possibilidade de ver sua tecnologia empregada sobre trilhos em nível com o solo ou mesmo abaixo desse: "O Aeromóvel é um conceito. Mas conceito é uma coisa, e a aplicação dele é outra".
Em Porto Alegre, o conceito foi aplicado à risca. A via elevada foi cuidadosamente desenhada e executada em peças de concreto pré-moldado, conectando as duas primeiras estações do modal, que também são suspensas. As estações se desenvolvem paralelamente à via, com estrutura independente mista: pilares, vigas e lajes de concreto armado e cobertura e fechamentos laterais de perfis metálicos. A vedação é feita com vidro e os ambientes são climatizados.
Junto à estação da Trensurb, a plataforma do Aeromóvel configura um anexo à construção existente, e por isso possui dimensões menores, usufruindo da infraestrutura já presente da estação de trens. Já na área do Aeroporto Salgado Filho, a estação foi concebida de maneira independente, demandando mais área para a implantação. Nos dois casos, as edificações são complementadas por áreas de apoio no térreo, onde foram implantados os Grupos Moto-Propulsores, as salas de controle e as subestações transformadoras.
Propostas para novas linhas de Aeromóvel em Porto Alegre estão sendo analisadas, bem como em Canoas, RS, e Nova Iguaçu, RJ. Enquanto a tecnologia apenas começa a dar as caras no Brasil, outra linha está em funcionamento há mais de 25 anos em Jacarta, capital da Indonésia. Na cidade asiática, foi implantada uma linha circular no interior de um parque ecológico com centro de convenções, teatros e hotéis.
"Toda inovação enfrenta desafios, e as mudanças são sempre muito traumáticas - a gente está acostumado a fazer as coisas de um jeito e tem dificuldades para mudar", constata Oskar Coester depois de décadas de espera para ver o Aeromóvel em funcionamento no Brasil. "As pessoas não acreditam que um veículo sem motor possa andar. O motor está lá no ventilador, e o resto é um barco a vela . As coisas mais simples são as mais difíceis de entender", finaliza.

FAIR WINDS FOLLOW
The Aeromóvel is similar to a sailboat: its source of propulsion is the wind. Its fins (or sails) are hidden inside the concrete beam that sustains the rail, blown by ventilators run on electric energy. The system was patented in the 1970s by a Brazilian, Oskar Coester. With the objective of - radically - improving the ratio between dislocated weight and useful cargo, Oskar centered his attention on the wheel and rail system, which is very efficient by affording little friction during movement. Not having any type of on-board engine makes the Aeromóvel very light. The wind that drives it is produced by electric powered ventilators located in engine rooms set underneath the boarding stations, on the ground. The air current runs through the box beam that composes the elevated rail, where the fins are encountered. On thinking about a new means of transport for cities that are already consolidated, Oskar decided to remove his vehicle from the ground. "Demolitions are unfeasible from an economic point of view, and burying everything, like the metro, costs a fortune to build and to operate," he postulates. The inventor shuns comparisons between the Aeromóvel elevated track and obsolete structures like the Minhocão [elevated freeway], in São Paulo, explaining that these are oversized to serve vehicles that transport hardly any useful weight. In Porto Alegre, the concept was applied to a T. The elevated track was designed and executed in pre-molded concrete pieces, connecting the first two modal stations, which are also suspended. The stations are developed parallelly to the rail, with a mixed independent structure: pillars, reinforced-concrete beams and slabs and metal-profile roof and side enclosures.