domingo, 4 de setembro de 2016

Infraestrutura brasileira

Meirelles anuncia 269 bilhões de dólares em investimento na área de infraestrutura no Brasil até 2019
Recursos seriam aplicados em petróleo e gás, energia elétrica, telecomunicações, transporte, estradas, saneamento, estradas de ferro, aeroportos e mobilidade urbana, portos, entre outros
Luísa Cortés, do Portal PINIweb
2/Setembro/2016







O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, anunciou nesta sexta-feira (2) a empresários nacionais e estrangeiros em Xangai, na China, a possibilidade de investimentos de 269 bilhões de dólares em infraestrutura no Brasil entre 2016 a 2019. Os recursos seriam aplicados em petróleo e gás, energia elétrica, telecomunicações, transporte, estradas, saneamento, estradas de ferro, aeroportos e mobilidade urbana, portos, entre outros.

O ministro integra a comitiva do presidente Michel Temer em Xangai, China, para participar da Cúpula do G20 e também para negociar a ampliação do comércio bilateral.

Meirelles também defendeu que possui uma alta demanda em infraestrutura e insistiu na estabilidade do País, do ponto de vista econômico, jurídico e político. "Lá no Brasil, devido ao crescimento enorme da economia de mercado de consumo nas décadas passadas, a demanda está presente, isto é, o que nós faltávamos é o que estamos implantando agora. São regras estáveis, regras que beneficiam e que permitem que o investimento tenha um retorno adequado, e, principalmente, regras estáveis e previsíveis ao longo do tempo", disse.

O governo Temer, até agora, criou o Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento do Saneamento Básico (Reisb), que aumenta os investimentos em saneamento básico pelas empresas prestadoras de serviços do setor, que terão concessão de créditos na cobrança de tributos. Também está sendo votado no Congresso o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), que tem como objetivo executar obras de infraestrutura por meio de parcerias com a iniciativa privada. 

Em seu discurso, Meirelles também ressaltou os investimentos do pré-sal, na produção de bens e serviços, e do potencial agrícola brasileiro.